Notícias do mercado imobiliário

BRASIL TEM O RECORDE MUNDIAL NO GASTO COM JUROS

<img class="attachment-post-thumbnail size-post-thumbnail" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/Taxas-150x150.jpg" sizes="(max-width: 150px) 100vw, 150px" srcset="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/Taxas-150x150.jpg 150w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/Taxas-100x100.jpg 100w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/Taxas-90x90.jpg 90w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/Taxas-80x80.jpg 80w" alt="Taxas" width="150" height="150" />


<p style="text-align: justify;">                                                                     Embora economistas apostem, predominantemente, na manutenção da Selic em 14,25% ao ano hoje (21) à noite, quando terminará a reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central, essa estabilidade não vai livrar o Brasil de um gasto recorde: as despesas com juros atingiram R$ 484 bilhões em 12 meses em agosto, o equivalente a 8,45% do Produto Interno Bruto. É um recorde mundial. Nem a Grécia, com uma megadívida, e, ainda por cima, insolvente, gasta tanto em proporção à sua economia. E há vários outros exemplos. Países europeus e o Japão, com débitos muito elevados, não enfrentam nem de longe o mesmo problema que o Brasil. “Esse gasto é escandaloso. É o dobro do que o governo dispendia há um ano”, alertou o economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito. “Não deveria ser assim”, criticou o economista-chefe do Banco ABC, Luiz Otávio de Souza Leal. Perfeito avaliou que, paradoxalmente, a despesa poderia ser menor caso o Copom tivesse elevado a Selic na reunião passada para 14,5% ao ano. “A longo prazo, a expectativa para os juros baixaria, porque essa elevação aumentaria a confiança de queda da inflação no próximo ano”, explica. A Selic a 14,25% terá de ser mantida por um período mais longo, na avaliação de André Perfeito, do que seria necessário caso tivesse sido levada há alguns meses a um patamar mais alto. Vários economistas apontam, porém, para o tamanho do gasto do governo com juros como um grande obstáculo para o BC subir a Selic, ainda que julgue necessário. O problema é que isso aumentaria ainda mais o rombo fiscal, com o risco de deteriorar ainda mais as expectativas para a situação do País no próximo ano, em vez de melhorá-las.</p>






<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
15/07/2016

Últimas notícias