Notícias do mercado imobiliário

TENDÊNCIA PARA O NOVO IPTU É SEGUIR VALOR DO IMÓVEL

<img class="attachment-266x266" style="text-align: justify;" title="IPTU" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2014/10/IPTU.jpg" alt="IPTU" width="266" height="110" />


<p style="text-align: justify;">                                                       A comissão criada com técnicos da Secretaria Municipal de Finanças deve estabelecer o fim da divisão de Goiânia em zonas fiscais para o pagamento do IPTU. Atualmente, a cidade possui quatro zonas que devem dar lugar a oito faixas. Neste caso, vai pesar mais no imposto o valor venal do imóvel em vez da localidade, o que seria a ideia da Prefeitura para o imposto progressivo. Ou seja, imóveis de maior valor gerariam um imposto maior, independente da sua localização. No caso dos imóveis residenciais, por exemplo, a variação das alíquotas é de 0,2% a 0,55%, dependendo da zona fiscal. Com as faixas, a variação continuaria a mesma, mas com mais opções. A tendência atual é que não se tenha nenhuma alíquota maior que 0,55%, mas um índice maior não está descartado. No ano passado, a Prefeitura tentou implantar a mesma ideia de IPTU progressivo em que, nos imóveis residenciais, a alíquota mais cara, para casas de R$ 1 milhão ou mais, era de 0,7%. A localização do imóvel, no entanto, continua sendo levada em conta ao se calcular o valor do metro quadrado construído, que é usado na base de cálculo do IPTU. Esse índice também foi atualizado pela comissão de cerca de 20 membros formada por vereadores, técnicos da Prefeitura e membros da sociedade civil organizada, que se reuniu entre os meses de maio e agosto. O trabalho do grupo, encerrado na última sexta-feira, atualizou toda a planta de valores de terrenos residenciais, comerciais e glebas.</p>




<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
31/10/2014

Últimas notícias