Notícias do mercado imobiliário

AÇÕES DA CELG-D ESTÃO PRONTAS PARA IREM A LEILÃO

<img class="attachment-post-thumbnail" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2015/10/Celg-Distribui%C3%A7%C3%A3o-150x82.jpg" alt="Celg Distribuição" width="150" height="82" />


<p style="text-align: justify;">                                                                            O cronograma de privatização da Celg-D está em dia e, concretizadas as expectativas do governo de Goiás e da Eletrobrás, até o final de novembro deste ano a empresa será vendida em leilão. A confirmação de que os trâmites burocráticos para a venda da empresa seguem um ritmo normal foi dada no começo desta semana durante reunião do governador Marconi Perillo e diretores da Celg com o ministro chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante. Do encontro participaram ainda representantes dos ministérios da Fazenda e Minas e Energia, da Eletrobrás, do Banco Central e do BNDES. “Viemos discutir assuntos que possam valorizar a empresa. O importante é que o cronograma está rigorosamente em dia”, declarou o governador ao lembrar também que está em discussão a adoção de um indexador para converter a dívida da Celg com Itaipu, que hoje está sendo cobrada em dólar. Embora considere que a avaliação da empresa ainda não esteja concluída, o governo federal trabalha com a expectativa de que a Celg seja leiloada por R$ 8,5 bilhões. O Estado deverá utilizar 100% da sua parte das receitas obtidas com o leilão em projetos de infraestrutura para escoamento da produção e aumento da competitividade do Estado nos mercados nacional e internacional. A Celg foi federalizada, ficando com a Eletrobrás, e depois incluída, em maio deste ano, no Programa Nacional de Desestatização. A empresa goiana será a primeira a ser vendida de um grupo de quatro distribuidoras da Eletrobrás a serem ofertadas ao mercado. A Eletrobrás detém 51% das ações e o governo do Estado os outros 49%. O valor apurado no leilão será divido entre a Eletrobrás e o governo de Goiás. O BNDES é o gestor da venda. O banco contratou a Corporação Financeira Internacional, do Banco Mundial, para desenhar a modelagem que está em fase de precificação. O governo tem defendido que a Celg tem grande potencial de crescimento e tem sido atrativa no mercado. Alguns investidores nacionais e estrangeiros já manifestaram interesse na compra. Dentre eles destacam-se fundos de pensão e de investimento e empresas do setor interessadas na expansão do mercado.</p>






<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
17/11/2015

Últimas notícias