Notícias do mercado imobiliário

CAI O PREÇO DO M² EM BRASÍLIA NO 3º TRIMESTRE DE 2015

<img class="attachment-post-thumbnail size-post-thumbnail" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-150x150.jpg" sizes="(max-width: 150px) 100vw, 150px" srcset="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-150x150.jpg 150w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-100x100.jpg 100w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-90x90.jpg 90w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-80x80.jpg 80w" alt="tome nota" width="150" height="150" />


<p style="text-align: justify;">                                                                 Brasília teve o metro quadrado para aluguel desvalorizado em 1,3% no terceiro trimestre de 2015. Já a desvalorização do metro quadrado para venda foi de 0,4% no período, de acordo com o Dados do Mercado Imobiliário, realizado com uma base de mais de 3 milhões de classificados. O índice também mostrou as cinco regiões mais caras de Brasília. O Noroeste lidera o ranking (R$ 9.886 /m²), seguido do Park Sul (R$ 9.852,00/m²), Sudoeste (R$ 9.564/m²), Asa Norte (R$ 9.143/m²) e Asa Sul (R$ 9.007,00/m²). Já entre as regiões mais procuradas para compra de imóveis estão Asa Norte, Lago Sul, Asa Sul, Sudoeste e Noroeste. Em aluguel, as mais requisitadas são Asa Norte, Sudoeste, Asa Sul, Lago Norte e Lago Sul. “As crises política e econômica afetam a confiança e o poder de compra das famílias, mas como as oscilações do mercado imobiliário são de longo prazo, raramente veremos quedas bruscas em um curto período”, explica Lucas Vargas, Vice-Presidente Executivo do VivaReal. O índice DMI-VivaReal também apontou que a oferta e demanda de imóveis em Brasília é bastante equilibrada. A maior diferença aparece quando falamos no preço dos imóveis: a maioria dos brasilienses busca imóveis acima de R$ 1 milhão (32%) e a oferta por este tipo de imóvel chega a 48%. A relação oferta e demanda quanto ao número de dormitórios é bastante próxima. Para os imóveis de três dormitórios, a demanda é de 30% e a oferta de 25%.</p>






<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
07/07/2016

Últimas notícias