Notícias do mercado imobiliário

CÂMARA VAI DEBATER A CRISE NA CONSTRUÇÃO CIVIL

<img class="attachment-post-thumbnail size-post-thumbnail" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-150x150.jpg" sizes="(max-width: 150px) 100vw, 150px" srcset="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-150x150.jpg 150w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-100x100.jpg 100w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-90x90.jpg 90w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-80x80.jpg 80w" alt="tome nota" width="150" height="150" />


<p style="text-align: justify;">                                                              O setor da construção civil enfrenta uma crise sem precedentes no Brasil, com recuo de 6% nas vendas em 2014, queda de 98% do lucro para as empresas abertas no primeiro trimestre deste ano e perda de R$ 12 bilhões de valor de mercado na bolsa nos últimos 12 meses. Decorrentes das dificuldades do mercado, queda no poder aquisitivo e escassez de crédito, a crise do setor está afetando em cheio o mercado de trabalho. Somente nos últimos doze meses a construção civil foi responsável por mais de 600 mil demissões em todo o País. Preocupado com os reflexos desta crise, especialmente para os trabalhadores, o deputado João Henrique Caldas, o JHC, 27 anos, do Solidariedade de Alagoas, conseguiu transformar a Sessão da Câmara em Comissão Geral para debater os efeitos do atual momento econômico na construção civil. A Comissão Geral é uma espécie de audiência pública, porém realizada no espaço mais nobre do parlamento, e é dedicada ao debate de assuntos que alcançam a realidade nacional. Em sua justificativa, o parlamentar alertou para a dificuldade que o setor atravessa em face dos atrasos de programas como o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e Minha Casa, Minha Vida, além das crescentes dificuldades para financiamento da casa própria. Para JHC, “o cenário atual faz necessária uma discussão mais ampla sobre o financiamento do setor pelo governo. As restrições de crédito imobiliário nos bancos oficiais, especialmente Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil, também afetam o setor”. Ainda segundo o deputado, a Comissão Geral “objetiva criar um espaço de diálogo entre sociedade civil, especialistas e autoridades governamentais”. Identificar as causas dessa crise com a Comissão Geral, portanto, pode ser o ponto de partida para a mudança desse cenário.</p>






<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
17/06/2016

Últimas notícias