Notícias do mercado imobiliário

CARGA TRIBUTÁRIA BATE RECORDE EM 2013, DIZ RECEITA

<img class="attachment-266x266" style="text-align: justify;" title="CARGA TRIBUTÁRIA BATE RECORDE EM 2013, DIZ RECEITA" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2015/01/CARGA-TRIBUT%C3%81RIA-BATE-RECORDE-EM-2013-DIZ-RECEITA-429x280.jpg" alt="CARGA TRIBUTÁRIA BATE RECORDE EM 2013, DIZ RECEITA" width="266" height="173" />


<p style="text-align: justify;">                                                                     A carga tributária brasileira voltou a bater recorde e chegou a 35,95% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2013. O recorde anterior era de 2012, quando a carga foi de 35,85% do PIB. A informação foi divulgada na sexta-feira, 19,  pela Recita Federal. Em números absolutos, a arrecadação tributária bruta foi de R$ 1,741 trilhão em 2013, para um PIB de R$ 4,844 trilhões. Já em 2012, a arrecadação foi de R$ 1,574 trilhão para um PIB de R$ 4,392 trilhões. O documento ainda discrimina a arrecadação por ente federativo. A União foi responsável pela arrecadação bruta de R$ 1,2 trilhão no ano passado, o que representa 24,78% do PIB. Em seguida estão os Estados, que amealharam R$ 440,4 bilhões, ou 9,09% do PIB, e os municípios, com R$ 100,9 bilhões ou 2,08% do PIB.  O resultado de 2013 deixa o Brasil na frente de países como o Reino Unido, o Canadá,  a Suíça, os Estados Unidos e a Coreia do Sul no quesito de arrecadação tributária em relação ao PIB. Na América Latina, o Brasil está atrás apenas da Argentina, que arrecadou 37,3% do PIB em 2012. Na comparação internacional, não há dados para 2013. O aumento da carga tributária entre 2012 e 2013, de 35,86% para 35,95% do Produto Interno Bruto (PIB), se deve ao bom desempenho das receitas estaduais e às receitas de parcelamento (Refis). Segundo documento elaborado pela Receita, o aumento da carga foi concentrado nos Estados (72% da variação total). Além disso, continua o estudo, caso os parcelamentos fossem desconsiderados, a carga tributária apresentaria redução de 0,09 ponto percentual.</p>






<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
06/01/2015

Últimas notícias