Notícias do mercado imobiliário

COM ALTA DA SELIC, FUNDOS GANHAM DA POUPANÇA

<img class="attachment-266x266" style="text-align: justify;" title="poupança" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2014/11/poupan%C3%A7a2-280x280.jpg" alt="poupança" width="266" height="266" />


<p style="text-align: justify;">                                                                                 A alta da taxa básica de juros da economia, a Selic, vai reforçar a rentabilidade dos investimentos em renda fixa, como os fundos de investimentos. Levantamento da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) mostra que, com o juro a 11,25% ao ano, os fundos são mais vantajosos que a poupança na maioria das simulações. Para Miguel José Ribeiro de Oliveira, diretor executivo da Anefac, esse ganho de competitividade da renda fixa tende a se consolidar nos próximos meses. Com essa alta da Selic, que leva em consideração a pressão do câmbio e as tarifas públicas represadas, se abre uma janela e outras elevações devem vir. Até a última quarta-feira, a expectativa da Anefac era de manutenção da taxa de juros em 11% ao ano. A vantagem é ampla para os fundos que têm taxas de administração de até 1,5%, segundo o estudo. Com a taxa em 2%, os fundos só mantêm o ganho maior quando o prazo de resgate das aplicações supera um ano. A poupança, por sua vez, é melhor para o investidor em relação aos fundos quando a taxa de administração é de 2% e com prazo de até um ano. Quando a taxa é de 2,5% ou mais, a poupança rende mais que os fundos em qualquer que seja a situação. Para quem tem pouca experiência com o mundo das finanças, contudo, a poupança costuma ser uma boa porta de entrada, em especial quando o investimento é baixo. Isso porque, lembra o executivo da Anefac, as taxas de administração mais baixas dos fundos, que os colocam em condição mais favorável que a poupança, só estão disponíveis para investimentos de maior valor. Com a Selic a 11,25%, a caderneta tem ganho de 0,58% mais a Taxa Referencial (ou 6,17% ao ano). A aplicação também é isenta de Imposto de Renda e é possível sacar a qualquer momento. Já os fundos de renda fixa têm seus rendimentos tributados pelo IR. Quanto menor o prazo de resgate, maior a tributação.</p>






<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
25/11/2014

Últimas notícias