Notícias do mercado imobiliário

CONTRA CRISE, CNI EXIGE UMA REFORMA REALISTA NO PAÍS

<img class="attachment-post-thumbnail size-post-thumbnail" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-150x150.jpg" sizes="(max-width: 150px) 100vw, 150px" srcset="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-150x150.jpg 150w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-100x100.jpg 100w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-90x90.jpg 90w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-80x80.jpg 80w" alt="tome nota" width="150" height="150" />


<p style="text-align: justify;">                                                                  “A solução da crise econômica no Brasil passa pela solução da crise política.” A avaliação é do presidente da Confederação Nacional das Indústrias (CNI), Robson Andrade, que participou nesta segunda-feira (26), em Belo Horizonte, do lançamento do projeto Sudeste Competitivo. Ele afirmou que o País precisa de uma “reforma administrativa séria”, criticando as mudanças feitas pela presidente Dilma Rousseff no início do mês e que pouco avançaram até agora. Andrade cobrou também da oposição, que, “assim como a situação, não tem capacidade para apresentar para a sociedade um projeto de um novo Brasil”. Segundo ele, a recriação da CPMF não solucionará os rombos nos cofres públicos e seria uma injustiça com a população que já arca com altos impostos. “A CNI e as federações são completamente contra a recriação da CPMF. Ela não resolve o problema do País. Já vimos que é um imposto de má qualidade e que prejudica as cadeias produtivas mais longas. Além de não impactar as pessoas de maneira igual. É um imposto ruim”, afirmou Andrade. Para o presidente da CNI, os problemas orçamentários são resultados de gastos excessivos da administração federal e que serão precisos cortes na máquina pública para equilibrar as contas. “Pagamos um volume muito grande de impostos, que chega a 37% do que produzimos. Se consideramos ainda o déficit público, veremos que a sociedade contribui com mais de 40% do total que produz para cobrir os problemas no orçamento”, avaliou. Ao avaliar as perspectivas do setor industrial no fim do ano, Andrade considerou a situação muito negativa e aquém do que o Brasil pode produzir. “Estávamos com uma participação no PIB que girava em torno de 13%; agora vamos fechar o ano com cerca de 9,5%. São números muito baixos para um país do tamanho do Brasil”, criticou. Sobre as reformas necessárias para a economia voltar a crescer, o presidente da CNI afirmou que é preciso uma posição mais corajosa do governo para implementar mudanças significativas na gestão do País. “Não adianta fazer alterações paliativas. Precisamos de uma reforma na previdência, trabalhista e tributária, além de uma reforma administrativa séria.”</p>






<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
27/07/2016

Últimas notícias