Notícias do mercado imobiliário

CONTRIBUIÇÃO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO À URBANIZAÇÃO

<img class="attachment-266x266" style="text-align: justify;" title="Programa Urbano Ambiental Macambira-Anicuns" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2015/01/Programa-Urbano-Ambiental-Macambira-Anicuns1-369x280.jpg" alt="Programa Urbano Ambiental Macambira-Anicuns" width="266" height="201" />


<p style="text-align: justify;">                                                               A construção do Parque Urbano Ambiental Macambira-Anicuns (Puama) está apenas no início, mas já alavancou uma nova onda de urbanização e verticalização nas Regiões Sudoeste e Oeste de Goiânia. Anunciado em 2003, o projeto enfrentou dificuldades de sair do papel nos últimos 11 anos. Mas o mercado imobiliário se adiantou e mudou a paisagem e o perfil dos setores que compõem a faixa inicial do projeto, com bairros planejados, parques e centros comerciais. Entre 2009 e 2013, construtoras lançaram na região de influência do Puama (setores iniciais), 3.524 apartamentos, divididos em 11 prédios nos Bairros Faiçalville, Fazenda Santa Rita (ao lado do condomínio horizontal Granville), Celina Park e Parque Oeste Industrial. Nos anos de 2013 e 2014, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável (Semdus) recebeu pedidos de análises de projetos para 16 novos empreendimentos residenciais de grande porte nos mesmos setores. Mas a intenção das empresas para os próximos anos é adensar ainda mais a região. Ponto inicial do Puama, o Setor Faiçalville foi cercado pelo bairro planejado Novo Atlântico. Diretor de incorporação da EBM Desenvolvimento Imobiliário, Fernando Razuk diz que o projeto, erguido em uma área de mais de 60 mil metros quadrados, entregou o primeiro condomínio no fim de 2014, com previsão de fazer seis lançamentos para os próximos anos, dois deles em 2015. Razuk admite que o projeto do Puama contribuiu para a decisão da empresa de investir na região. Temos experiências com os Parques Vaca Brava e Flamboyant. Sabemos que empreendimentos em torno dessas áreas valorizam de 20% a 30% acima da valorização da cidade. É o que todo mundo quer: no fim de semana,  poder descer o elevador, usar uma praça ou ir para o parque, porque melhora a qualidade de vida, argumenta. Bairro que abriga as nascentes do Córrego Macambira, agora o Faiçalville deverá dividir com o Novo Atlântico o Parque Ambiental Macambira (PAM), ponto de partida do Puama e que contará com núcleos socioambientais, área de recreação infantil, anfiteatro aberto, pista de caminhada e ciclovia. As obras foram retomadas em setembro de 2014 e devem ser entregues até setembro de 2016. Mas antes mesmo da instalação dos equipamentos públicos previstos para o local a construtora EBM construiu uma praça para o lazer dos moradores dos futuros empreendimentos. A empresa também ergueu um centro comercial no local, antes desprovido de serviços. Empreendimentos verticais de grande porte de diversas construtoras como Borges Landeiro, EBM e Brookfield estão previstos ao longo dos setores 1 e 3 do Puama, que compreende a faixa do Córrego Macambira entre o Faiçalville e o Setor Celina Park. A primeira etapa da obra deverá terminar na Avenida Milão. Mas desde março de 2012, a área onde termina o terceiro trecho do Puama, na divisa do Setor Novo Horizonte com Celina Park, já abriga uma ampla área ambiental e de lazer. É o Parque Municipal Bernardo Élis, feito pela Toctao Rossi por meio de parceria público-privada, por conta da construção de prédios residenciais às margens do curso d'água.</p>






<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
15/01/2015

Últimas notícias