Notícias do mercado imobiliário

EXPECTATIVA NO MERCADO É DE PIORA CONTÍNUA

<img class="attachment-post-thumbnail size-post-thumbnail" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-150x150.jpg" sizes="(max-width: 150px) 100vw, 150px" srcset="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-150x150.jpg 150w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-100x100.jpg 100w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-90x90.jpg 90w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/tome-nota-80x80.jpg 80w" alt="tome nota" width="150" height="150" />


<p style="text-align: justify;">                                                                          As expectativas dos analistas de mercado para a economia neste ano e no próximo continuam a piorar, de acordo com o Boletim Focus do Banco Central. Pela nona semana consecutiva, a projeção para o desempenho do PIB de 2015 foi revisto e a expectativa agora é de contração de 2,55%. No documento anterior, o recuo econômico esperado era de 2,44%. Para 2016, a estimativa passou de retração de 0,50% para queda de 0,60%. O desempenho da indústria também tem sido sistematicamente revisto para baixo. No boletim divulgado nesta segunda-feira, 14, a previsão é de recuo de 6,29% na produção das indústrias neste ano e aumento de apenas 0,50% em 2016. Quanto à inflação, enquanto a projeção para este ano tem oscilado em torno de 9,30% nas últimas semanas, a de 2016 não para de subir. De acordo com o Focus, a mediana das estimativas para o avanço do IPCA em 2015 saiu de 9,29% para 9,28%. Reflexo da recessão, a participação da indústria de transformação na economia terá encolhimento preocupante ao final deste ano, de acordo com previsão Confederação Nacional da Indústria. O setor mais nobre da indústria, o da manufatura, que chegou a ter participação de quase 18% do PIB em 2004, deve fechar 2015 representando apenas 9% da economia, depois de encerrar o ano passado em 10,91%. O presidente da CNI, Robson Andrade, tem estimativa mais pessimista: “Nossa participação tende a cair para 8% nos próximos anos”. O ministro Armando Monteiro (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) classifica a queda de “preocupante” por ser “prematura”, mas espera recuperação do setor por causa do dólar mais competitivo.</p>






<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
08/06/2016

Últimas notícias