Notícias do mercado imobiliário

FAMÍLIA GOIANA SE ENDIVIDOU MENOS NO ANO PASSADO

<img class="attachment-266x266" style="text-align: justify;" title="FAMÍLIA GOIANA SE ENDIVIDOU MENOS NO ANO PASSADO" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2014/11/FAM%C3%8DLIA-GOIANA-SE-ENDIVIDOU-MENOS-NO-ANO-PASSADO.jpg" alt="FAMÍLIA GOIANA SE ENDIVIDOU MENOS NO ANO PASSADO" width="266" height="150" />


<p style="text-align: justify;">                                                                   Goiânia foi a capital do Brasil com menor nível de endividamento das famílias em 2013: 46%, o que representou cerca de 189.212 famílias com dívidas. O desempenho da capital ficou bem abaixo da média brasileira, que foi de 63% de endividamento. É o que mostra a pesquisa Radiografia do Endividamento das Famílias Brasileiras, realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomércio-SP). O levantamento foi feito com base em informações do IBGE e da Confederação Nacional do Comércio (CNC). Goiás teve um dos melhores desempenhos da Região Centro-Oeste. Brasília foi a cidade com maior número de famílias endividadas: 660.300 ou 84%. Em Goiânia, o índice de famílias com dívidas em atraso saltou de 15% em 2012 para 21% em 2013.  Mesmo estando entre as capitais com menor índice de endividamento, o crescimento das dívidas em atraso em Goiânia preocupa. Para o economista Marcos Arriel, essas famílias caíram na tentação do crédito fácil nos últimos anos, o que se torna um problema sério com os altos juros atuais. Porém, ele acredita que a maior causa do endividamento e da inadimplência ainda seja a falta de controle do orçamento doméstico. Segundo a Fecomércio, essas famílias ainda contam com respaldo da renda e do emprego em níveis positivos que lhes dê a confiança para expandir o comprometimento do orçamento com dívidas para consumo ou para quitar dividas mais caras. Esse sistema, no entanto, se torna vulnerável diante de aumentos imprevistos da inflação, reduzindo o poder de consumo e elevando o valor das dívidas em atraso.</p>






<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
07/11/2014

Últimas notícias