Notícias do mercado imobiliário

GOIÁS AVANÇA NO EMPREGO E A CONSTRUÇÃO CONTRIBUI

<img class="attachment-post-thumbnail" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2015/10/gera%C3%A7%C3%A3o-de-empregos-150x150.jpg" alt="geração de empregos" width="150" height="150" />


<p style="text-align: justify;">                                                              Em março, Goiás criou 6.176 postos de trabalho formal. Os dados, divulgados ontem (23) pelo Ministério do Trabalho, fazem parte do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Foram 60.223 admissões, ante 54.047 desligamentos. O resultado equivale à expansão de 0,50% em relação ao estoque de assalariados com carteira assinada do mês anterior, quando o Estado criou 4.459 novos postos de trabalho. No ranking nacional, Goiás é o 4º maior em empregabilidade, ficando atrás de Estados como São Paulo, Rio Grande do Sul e Paraná. Nos três primeiros meses deste ano houve acréscimo de 12.459 postos (+1,01%), o melhor resultado da Região Centro-Oeste. O desempenho do mês passado foi puxado pelos setores de Indústria de Transformação com 2.244 postos, Serviços, com 2.322, Agropecuária, com 1.620 vagas preenchidas, e Comércio, com 1.918 postos. Cristalina é o município goiano que mais gera empregos neste ano, segundo os dados do Caged, por conta da expansão industrial. Em março foram 1.117 novos postos de trabalho. De acordo com o superintendente do Trabalho e Emprego em Goiás, Arquivaldo Bites Leão Leite, neste cenário de crise o resultado do Estado traz alivio e sinalização positiva de que a economia goiana está, de certa forma, estabilizada e acima da média nacional. “Goiás continua gerando empregos, nos setores que movimentam a economia local. Para abril, estamos confiantes de que o resultado será positivo e acima do apresentado em março. As informações que temos da construção civil mostram que o setor está retomando as contratações, o que elevará ainda mais os números”, frisa Arquivaldo. No País, foram retomadas em março as contratações, interrompendo uma sequência de demissões que vinha desde dezembro.De acordo com o Caged, foram abertas 19,3 mil vagas. Em março do ano passado, o País criou 13,1 mil vagas.</p>






<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
14/10/2015

Últimas notícias