Notícias do mercado imobiliário

JURO EM ALTA DIFICULTA INVESTIMENTO NA CASA PRÓPRIA

<img class="attachment-post-thumbnail size-post-thumbnail" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/Taxas-150x150.jpg" sizes="(max-width: 150px) 100vw, 150px" srcset="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/Taxas-150x150.jpg 150w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/Taxas-100x100.jpg 100w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/Taxas-90x90.jpg 90w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/Taxas-80x80.jpg 80w" alt="Taxas" width="150" height="150" />


<p style="text-align: justify;">                                                             Com o anúncio da terceira rodada de elevação da taxa de juros do financiamento da Caixa Econômica Federal este ano, que saiu de 9,45% para 9,9% para não correntistas, o consórcio ou planejamento minucioso do financiamento são as principais dicas para sair do aluguel. Por isso, o melhor caminho é pesquisar. A tendência é que as taxas das instituições privadas fiquem mais competitivas. Já para os investidores, a nova taxa de financiamento pode inviabilizar os negócios. Esse índice vale somente para os contratos assinados após o dia 1º de outubro. No caso do consórcio, embora não tenha a figura dos juros embutido nos valores das parcelas, o consumidor deve ficar atento ao preço da taxa administrativa. Segundo especialistas, essa alternativa pode baratear até 20% o valor do imóvel, mas possui o inconveniente do prazo de espera, que pode ser longo. “Dependendo da quantidade de recurso disponível, ele pode utilizar a estratégia de dar o lance e adquirir o imóvel antes”, afirma a educadora financeira, Cíntia Senna. Com o aumento da taxa de juros do financiamento, o impacto direto será a necessidade de poupar mais para garantir uma entrada maior, reduzindo o saldo devedor. O preço da parcela do financiamento está longe de ser a única despesa considerada no montante. Há taxas de condomínio, cartorárias, Imposto Sobre Transmissão de Imóveis (ISTI). Por isso, é preciso colocar tudo na ponta do lápis. “O sonho para sair do aluguel pode até ser retardado, mas não acredito que não devam ser realizadas. Ainda compensa financiar um imóvel para fugir do aluguel”, orienta o economista Antônio Teodoro. As taxas de financiamentos cobradas pelas instituições financeiras dependem de uma série de componentes: se é ou não cliente do banco, histórico financeiro, grau de risco, renda e até se recebe o salário por meio da instituição. Para o economista, a escalada de juros prejudica investidores que adquirem imóveis para revendê-los com ágio. “A elevação do financiamento inviabiliza a operação”, explica Antônio Teodoro. Nesse casso, segundo ele, o investidor terá que refazer cálculos para não ficar no prejuízo.</p>






<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
21/06/2016

Últimas notícias