Notícias do mercado imobiliário

MERCADO ESTIMA ESTABILIZAÇÃO NOS PREÇOS DE IMÓVEIS

<img class="attachment-266x266" style="text-align: justify;" title="mercado imobiliario" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2015/01/mercado-imobiliario1.jpg" alt="mercado imobiliario" width="160" height="127" />


<p style="text-align: justify;">                                                                      Está na edição de hoje do jornal O Estado de S. Paulo: Ciclo de alta no preço dos imóveis residenciais ficou para trás. O preço esfriou e passou a subir num ritmo próximo ao da inflação. A tendência para 2015 é de que os valores continuem nessa linha, com possibilidade de queda em algumas regiões. O ano vai ser difícil para o mercado imobiliário. Os preços devem ficar estáveis ou cair, na média, e não descarto uma queda nominal', diz o economista Eduardo Zylberstajn, coordenador do Índice Fipezap, que calcula a evolução do preço dos imóveis em 20 cidades a partir de anúncios na internet. Segundo o índice, o valor médio do metro quadrado subiu 6,35% entre janeiro e novembro, período em que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), indicador oficial da inflação no País, ficou em 5,58%. Entre janeiro e novembro de 2013, o valor das moradias acumulava alta de 12,7%, quando o IPCA foi de 4,95%. Foi veiculada também a informação, esta baseada em consulta feita pelo Núcleo de Real Estate da USP, de que 41% dos empresários do setor acham que os preços de lançamentos e de estoques devem crescer em linha com a inflação. Outros 41% esperam depreciação moderada e 7% cogitam queda acentuada. Só 10% esperam alta maior que a inflação. O coordenador do núcleo, João da Rocha Lima, disse que os preços devem cair em cidades como Salvador, Manaus e Brasília. Já em São Paulo e no Rio devem ficar estáveis ou mesmo até subir, na média, por causa da escassez de terrenos disponíveis para construção. Além disso, o Plano Diretor da capital paulista impôs limites mais rígidos ao tamanho dos empreendimentos e localizações, o que aumentará as despesas das empresas para obtenção de licenças.</p>






<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
07/01/2015

Últimas notícias