Notícias do mercado imobiliário

MERCADO VOLTA A ELEVAR A PROJEÇÃO DA INFLAÇÃO

<img class="attachment-266x266" style="text-align: justify;" title="MERCADO VOLTA A ELEVAR A PROJEÇÃO DA INFLAÇÃO" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2015/01/MERCADO-VOLTA-A-ELEVAR-A-PROJE%C3%87%C3%83O-DA-INFLA%C3%87%C3%83O.jpg" alt="MERCADO VOLTA A ELEVAR A PROJEÇÃO DA INFLAÇÃO" width="266" height="158" />


<p style="text-align: justify;">                                                                   Os investidores e os analistas do mercado financeiro voltaram a elevar a projeção de inflação para 2015, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A projeção passou de 6,56% para 6,6%. A estimativa segue acima do teto da meta, que é 6,5%. Os dados são do boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira (12) pelo Banco Central. A autoridade monetária se comprometeu a fazer a inflação chegar ao centro da meta, de 4,5%, em 2016. Na última sexta-feira, o presidente do BC, Alexandre Tombini, reafirmou o compromisso ao comentar o IPCA de 2014, que fechou em 6,41%. O boletim Focus da última semana também reduziu pela segunda vez a projeção do crescimento da economia para 2015, de 0,5% para 0,4%. A estimativa para os preços administrados, que sofrem algum tipo de influência do governo, teve alta pela quinta semana, passando de 7,85% para 8%. Com relação à taxa básica de juros, a Selic, a previsão para 2015 permanece em 12,5% ao ano. A projeção de câmbio também foi mantida, em R$ 2,80. A estimativa da dívida líquida do setor público passou de 37,3% para 37,25% em relação ao Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos em um país). A projeção do déficit em conta-corrente, que mede a qualidade das contas externas, passou de US$ 77 bilhões a US$ 77,4 bilhões. O saldo da balança comercial continuou em US$ 5 bilhões. Os investimentos estrangeiros foram estimados em US$ 60 bilhões. A previsão de crescimento da produção industrial ficou em 1,02%. O Focus é uma pesquisa semanal do Banco Central feita junto ao mercado. As estimativas divulgadas nesta segunda-feira são avaliações feitas por instituições financeiras na semana passada.</p>






<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
15/01/2015

Últimas notícias