Notícias do mercado imobiliário

MINHA CASA ATRASA E PREOCUPA GESTORES E EMPRESÁRIOS

<img class="attachment-post-thumbnail" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2015/10/Minha-casa-Minha-vida2-150x150.jpg" alt="Minha casa Minha vida" width="150" height="150" />


<p style="text-align: justify;">                                                                     O atraso do governo federal no lançamento da terceira etapa do programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV) tem deixado apreensivos os gestores dos programas habitacionais do Estado e de prefeituras como a de Goiânia. Já os empresários da construção civil esperam atualizações nas faixas de financiamento para que mais pessoas sejam atendidas pelo programa. Goiás é líder nacional em contratação de unidades habitacionais em todas as faixas de renda. Só a Agência Goiana de Habitação (Agehab) tem 30 mil unidades habitacionais em processo de contratação para as pessoas de menor renda, a categoria chamada de “interesse social”. O programa do governo federal deveria ter saído em abril, mas a expectativa é que isso aconteça no mês de agosto. O setor da construção espera mudanças no valor do teto do MCMV para famílias com renda entre três e dez salários mínimos. O presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Goiás (Ademi), Renato de Sousa Correia, imagina que o valor máximo, hoje em R$ 170 mil, possa subir para pelo menos R$ 220 mil para que se ajuste à realidade do preço das casas e apartamentos. Renato acredita que as dificuldades financeiras do governo estão atrasando o lançamento, mas espera que logo que o ajuste fiscal seja consolidado haja o anúncio. “A gente avalia que o ministro Joaquim Levy tentou fazer um ajuste fiscal e encontrou as barreiras políticas no Congresso Nacional, e essas barreiras atrasaram o ajuste e isso atrasou o programa”, considera.</p>
A meta da nova etapa do MCMV, anunciada pela presidente Dilma Rousseff em julho deste ano é construir 3 milhões de unidades até 2018. Desde o lançamento do programa, em 2009, 3,75 milhões de moradias já foram contratadas; destas, 2,1 milhões foram entregues.







<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
06/11/2015

Últimas notícias