Notícias do mercado imobiliário

NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS ESFRIAM, MAS DEMANDA PERSISTE

<img class="attachment-266x266" style="text-align: justify;" title="NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS ESFRIAM, MAS DEMANDA PERSISTE" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2015/03/NEG%C3%93CIOS-IMOBILI%C3%81RIOS-ESFRIAM-MAS-DEMANDA-PERSISTE-484x280.jpg" alt="NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS ESFRIAM, MAS DEMANDA PERSISTE" width="266" height="153" />


<p style="text-align: justify;">                                                                 Lançamentos em série, vendas meteóricas, escalada de preços. Esqueça. Tudo isso ficou no passado do mercado imobiliário brasileiro. Com a crise político-econômica, os negócios no setor esfriaram. Houve estabilização de preços e, com o freio no consumo, os estoques de unidades prontas cresceram. Ano passado, as vendas de imóveis encolheram 35% e não dão sinal de recuperação. Para ganhar a confiança do agora supercauteloso consumidor, construtoras e imobiliárias já oferecem promoções de até 20% de desconto e negociam melhores condições de pagamento. No segmento de imóveis usados, que precisa concorrer com a grande oferta de novos, as reduções de preço são mais frequentes, mesmo em cidades como o Rio de Janeiro, considerada a melhor praça do setor no País. A demanda persiste. Mas, a exemplo do que acontece na economia, passa por um período de ajuste, após uma época de euforia em negócios para investidores, construtoras e compradores. Agora, para garantir a venda de um empreendimento, afirmam especialistas, é preciso oferecer um produto finamente adequado à demanda, casando localização, qualidade e preço. Isso vale para todas as categorias, dos projetos para a classe média aos top de linha. O consumidor — arisco pelo retorno do medo do desemprego e com o orçamento mais apertado — teme ainda investir em um mercado que deve acompanhar a variação da inflação em 2015, perdendo a atratividade dos últimos anos. Pesam ainda nessa conta a queda no preço dos aluguéis e fatores como segurança e mobilidade urbana. Nesse cenário, a exemplo do que já fizeram ano passado, as construtoras vão reduzir lançamentos em 2015. Em São Paulo, o estoque de imóveis prontos é recorde, com mais de 27 mil unidades à espera de comprador. Em Brasília, as vendas caíram pela metade, puxando redução de até 20% nos preços. Os estoques de imóveis novos estão maiores e isso afeta os preços. Mas dificilmente haverá queda relevante em preços de imóveis. A margem do setor é baixa e a saída passa a ser negociar as condições de pagamento – diz João Paulo de Matos, presidente da Ademi-Rio. O mercado do Rio totalizou 16,9 mil unidades lançadas no ano passado, queda de 20% ante 2013. Este ano, os lançamentos devem cair no mesmo patamar ou até mais. A proporção, diz Matos, dependerá das condições da economia. Ricardo Humberto Rocha, professor do Insper, destaca que não se trata de bolha imobiliária no Brasil. Mas vê a retração em lançamentos como algo inevitável, repetindo ou superando a taxa registrada em 2014: “Esse ajuste levará a dois questionamentos de pontos nebulosos: a real margem das construtoras e os custos do setor.” Para Pedro Seixas, coordenador acadêmico do MBA em negócios imobiliários da FGV, é uma questão de equilíbrio entre oferta e procura: “A oferta está maior, então é bom para quem quer comprar imóvel.”</p>






<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
12/03/2015

Últimas notícias