Notícias do mercado imobiliário

PAÍS VAI A 3 TRIMESTRES SEGUIDOS DE PRODUÇÃO NEGATIVA

<img class="attachment-post-thumbnail size-post-thumbnail" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/Taxas-150x150.jpg" sizes="(max-width: 150px) 100vw, 150px" srcset="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/Taxas-150x150.jpg 150w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/Taxas-100x100.jpg 100w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/Taxas-90x90.jpg 90w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/Taxas-80x80.jpg 80w" alt="Taxas" width="150" height="150" />


<p style="text-align: justify;">                                                               A queda de 0,9% nas vendas do comércio em agosto, divulgada ontem (14) pelo IBGE, reforçou entre analistas a aposta de que o Produto Interno Bruto encolheu no terceiro trimestre do ano. Caso a retração se confirme, será a primeira vez que o País registrará três trimestres seguidos de desempenho negativo, desde o início da atual série histórica do IBGE para o PIB, iniciada em 1996. Entre os especialistas, há quem projete que a economia despencará por seis semestres consecutivos. O economista-chefe da Opus Investimentos, José Márcio Camargo, estima que o PIB do terceiro trimestre, cujos dados oficiais serão divulgados no início de dezembro, tenha encolhido 1%. Ele observou que a queda do comércio varejista superou as expectativas do mercado, indicando que a recessão está forte e deve continuar nos próximos meses. Os indicadores de vendas no Dia das Crianças, comemorado em 12 de outubro, que apresentou retração, mostram, segundo Camargo, que não há perspectiva de recuperação a curto prazo. Para o economista Rodrigo Miyamoto, do Itaú Unibanco, a economia terá retração não só no terceiro, mas também no quarto trimestre de 2015. A instituição, que calcula uma estimativa de variação mensal do PIB, divulgou comunicado, ontem, no qual projeta que a atividade econômica encolheu 0,8% em agosto em relação ao mês anterior. Se a comparação for feita com agosto do ano passado, a queda é de 4,2%, um tombo que não deixa dúvidas sobre a gravidade da crise em que o País está mergulhado. Para setembro, a projeção do banco é de nova queda do PIB mensal, de 0,4%.</p>






<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
07/07/2016

Últimas notícias