Notícias do mercado imobiliário

PODE PASSAR DE 1 MILHÃO DE POSTOS O CORTE NO EMPREGO

<img class="attachment-post-thumbnail size-post-thumbnail" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/gera%C3%A7%C3%A3o-de-empregos-150x150.jpg" sizes="(max-width: 150px) 100vw, 150px" srcset="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/geração-de-empregos-150x150.jpg 150w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/geração-de-empregos-100x100.jpg 100w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/geração-de-empregos-90x90.jpg 90w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/geração-de-empregos-80x80.jpg 80w" alt="geração de empregos" width="150" height="150" />


<p style="text-align: justify;">                                                            Num ambiente de recessão econômica e baixa confiança dos empresários, o mercado de trabalho brasileiro cortou 985,7 mil vagas com carteira assinada nos últimos 12 meses até agosto. Essa é a diferença entre as contratações e demissões de trabalhadores no período, segundo dados divulgados pelo Ministério do Trabalho. Só em agosto foram cortadas 86,5 mil vagas formais, o quinto resultado negativo consecutivo e pior para o mês desde 1995 (-116,9 mil). De quase 1 milhão de vagas cortadas em 12 meses, a indústria de transformação (-475 mil) e a construção civil (-385 mil) foram responsáveis por 88% das perdas. Todos os setores, contudo, estão no vermelho. Sob o governo Dilma Rousseff (PT), a indústria sofre com a recessão, a baixa demanda e os estoques altos. Os serviços, motor do emprego nos últimos anos, acumularam perda de 41,2 mil vagas nos 12 meses. Já o comércio cortou 43,5 mil vagas. Até julho, os setores ainda tinham saldo positivo. O pior resultado da história recente do mercado de trabalho foi em 1998, no governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Naquele ano, 580 mil vagas formais foram fechadas. O Brasil já perdeu quase um milhão de postos de trabalho com carteira assinada nos 12 meses até agosto e o ministro Manoel Dias (Trabalho e Emprego) admite que o País pode ultrapassar essa marca até o fim do ano. Em agosto, o Caged apontou o fechamento de 86.543 vagas.</p>






<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
21/06/2016

Últimas notícias