Notícias do mercado imobiliário

POLÍTICA DO BC PERDE EFICÁCIA E AFETA SÓ 51% DO CRÉDITO

<img class="attachment-post-thumbnail size-post-thumbnail" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/Taxas-150x150.jpg" sizes="(max-width: 150px) 100vw, 150px" srcset="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/Taxas-150x150.jpg 150w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/Taxas-100x100.jpg 100w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/Taxas-90x90.jpg 90w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/06/Taxas-80x80.jpg 80w" alt="Taxas" width="150" height="150" />


<p style="text-align: justify;">                                                               A parcela dos financiamentos e empréstimos bancários afetados diretamente pelos juros definidos pelo Banco Central atingiu o seu menor índice desde 2008. Hoje, a fatia representa pouco mais da metade do volume de crédito do País. A queda, iniciada no final do governo Lula (2003-2010), põe em xeque a eficácia da política monetária. Há sete anos, período mais antigo das estatísticas disponíveis, 67,5% do crédito nacional se originava das decisões dos bancos, que usam como referência os juros oficiais (taxa Selic). Em setembro de 2015, esse índice ficou em 50,9%. O restante corresponde ao crédito direcionado, sujeito a regras e taxas impostas pela legislação, que é imune à atuação do BC. Uma das consequências desse cenário é a necessidade de taxas mais altas para controlar o crédito, a demanda e a inflação. O volume sensível encolheu à medida que crescia o intervencionismo econômico da administração petista. Essa tendência foi impulsionada por programas subsidiados como o Minha Casa, Minha Vida.</p>






<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
15/08/2016

Últimas notícias