Notícias do mercado imobiliário

RELATÓRIO FOCUS APONTA PARA INFLAÇÃO DE 10% EM 2015


<p style="text-align: justify;">                                                                  A inflação oficial no País deve passar dos 10% este ano, segundo projeção do mercado financeiro no Relatório Focus divulgado na manhã desta segunda-feira, 16, pelo Banco Central. A mediana avançou de 9,99% para 10,04%, atingindo, portanto, a marca de dois dígitos pela primeira vez na pesquisa geral. Esta é a nona semana consecutiva em que há alta das estimativas para esta variável. Há quatro edições do documento, a mediana estava em 9,75%. Para 2016, a mediana das projeções para o IPCA do ano que vem chegou ao teto da meta e está agora em 6,5%. No levantamento anterior, o ponto central da pesquisa estava em 6,47% e no de quatro semanas atrás, em 6,12%. O Banco Central já avisou não mirar mais 2016, mas, sim, 2017 em sua tarefa de levar a inflação para o centro da meta.
Não houve alterações das previsões do mercado financeiro para a inflação de mais longo prazo, conforme a abertura do Relatório Focus. Para 2017, ano que é o novo foco de ação da instituição, a taxa permaneceu em 5%, como já estava desde 9 de outubro. Da mesma forma, para 2018, as projeções ficaram inalteradas em 5% – atingiram esse novo patamar na semana passada. Para 2019, a mediana das expectativas é de uma variação de 4,50%. Entre as instituições Top 5 – aquelas que costumam ver suas estimativas mais próximas da realidade – também não houve mudanças nas previsões em relação à semana passada. Para 2017, a mediana desse grupo seguiu em 5,35%; para 2018, em 5,25% e, para 2019, em 5,00%.</p>
O Relatório de Mercado Focus trouxe mudanças mais amenas para a atividades esta semana. De acordo com o documento divulgado pelo Banco Central, a perspectiva de retração do Produto Interno Bruto do ano que vem passou de 1,9% para 2%. Há um mês, a mediana das projeções estava em -1,22%. Para 2015, a perspectiva de contração seguiu em 3,10% – um mês antes estava em queda de 3,00%. Segundo o IBGE, o PIB brasileiro caiu 2,6% no segundo trimestre deste ano na comparação com o primeiro e 1,9% ante o mesmo período de 2014. No Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de setembro, o BC revisou de -1,1% para -2,7% sua estimativa para a retração econômica deste ano. No caso da produção industrial, a mediana das expectativas para 2015 ficou inalterada em -7,40% (um mês antes estava em -7,00%). Para 2016, passou de -2,00% para -2,15%. Há quatro semanas, estava em -1,00%. Já na relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB de 2015, a projeção dos analistas apresentou uma leve melhora, passando de 35,80% para 35,50% – quatro edições antes estava em 35,65%. Para 2016, a taxa também apresentou alívio ao sair de 39,60% para 39,40% – um mês antes estava em 39,20%.







<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
06/10/2016

Últimas notícias