Notícias do mercado imobiliário

SETOR QUER MAIS INVESTIMENTO E MENOS GASTO PÚBLICO

<img class="attachment-post-thumbnail size-post-thumbnail" src="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/CR%C3%89DITO-IMOBILI%C3%81RIO-150x150.jpg" sizes="(max-width: 150px) 100vw, 150px" srcset="http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/CRÉDITO-IMOBILIÁRIO-150x150.jpg 150w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/CRÉDITO-IMOBILIÁRIO-100x100.jpg 100w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/CRÉDITO-IMOBILIÁRIO-90x90.jpg 90w, http://evoimoveis.com.br/wp-content/uploads/2016/05/CRÉDITO-IMOBILIÁRIO-80x80.jpg 80w" alt="CRÉDITO IMOBILIÁRIO" width="150" height="150" />



O resultado do Produto Interno Bruto divulgado pelo IBGE no fim da semana passada confirmou avaliação interna dos empresários da construção: um dos segmentos mais prejudicados pela combinação da alta da inflação com uma política econômica equivocada, o setor está à beira de um colapso. “Nós teremos de rever nossos números para baixo novamente. Como o Brasil piora a cada mês, até o fim do ano a construção deve cair mais que os 8,4% agora anunciados, se não houver uma mudança forte na política econômica”, diz José Carlos Martins, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).  Segundo a CBIC, o setor da construção vai coletar assinaturas e apresentar projeto de lei de iniciativa popular estabelecendo a adoção de limites mais rigorosos para o gasto público, de forma a abrir espaço para a retomada dos investimentos. Para o presidente da entidade, o momento nacional exige mudança profunda na política de gastos do governo e a inversão do receituário anticrise. “Em 40 anos nesse setor, nunca vi uma crise igual. É urgente a mudança no modelo”, frisa José Carlos Martins. “Ontem saiu o resultado das contas públicas. A arrecadação novamente despencou. Está claro que o formato de aumentar impostos e reduzir investimentos não está funcionando. Aumentar impostos e diminuir investimentos não é o caminho”, advertiu. A indústria da construção, segundo o IBGE, registrou queda de 8,4%. Os números reforçam o pessimismo do setor, que sofre impacto negativo de um conjunto de fatores,  como a freada brusca nos investimentos, o atraso nos pagamentos de obras contratadas e executadas para o governo federal, o aumento de impostos e a escalada da inflação. A deterioração continuada do cenário deve levar à perda de 500 mil postos de trabalho em 2015. “O maior prejudicado não é o construtor, mas sim o investimento e o emprego na construção. São 500 mil famílias que perderão seu sustento nesse ano”, prevêem as lideranças do setor.







<strong>Fonte: www.ademigo.com.br</strong>
28/05/2016

Últimas notícias